Saturday, 20 September 2014

Less and less

Cada vez menos partilho a minha vida pessoal seja com quem for. Antigamente costumava falar pelos cotovelos e sentia essa necessidade muitas vezes no sentido de desabafar. Hoje em dia ja nao e' bem assim. Antes de minha viagem a Portugal aprendi a dura realidade de precisar de alguem e nao ter ninguem. Como sabem antes de ir para Portugal, o rapaz e eu tivemos um serio desentendimento. Desentendimento que quase levou ao total corte da relacao (felizmente esse nao foi nem e' o caso). Esse desentendimento foi gerado mais uma vez por ter dado com a lingua nos dentes - coisa que tao cedo nao volto a fazer. E percebi que na altura as unicas pessoas com quem verdadeiramente posso contar (e acima de tudo conheco pessoalmente) sao o rapaz, a minha irma acima de tudo, a minha mae e a minha melhor amiga, Sara. Apenas essas pessoas souberam do que se passou e so' elas dedicaram a sua completa atencao a mim e com o objectivo de me ajudar. Pedi em total desespero ajuda a pessoas que conhecia ca, dentro e fora do trabalho. Para que? Para nao obter qualquer tipo de ajuda. Percebi que a tao conhecida e chamada "familia" de trabalho, nao passam apenas de colegas de trabalho que estao la para dar palpites e na hora da verdade, ninguem esta' la'. Percebi isso da pior forma possivel. Percebi que amigos nao sao os colegas de trabalho, mas sim a familia. Esses sim independentemente de tudo estao la para nos, nas piores e nas melhores decisoes. Se ha julgamentos? Claro que sim, mas ESTAO LA para mim. Coisa que infelizmente as pessoas de CA nao estiveram. E isso mudou muito a minha visao das pessoas com quem trabalho e a forma como me abro com elas. Passei a ter outra perspectiva das pessoas e a dar menos confianca possivel. Falo sim sobre tudo o que corre bem, pois gosto de me gabar da pessoa em que me tornei, mais forte e independente. E nao tenciono desistir dessa pessoa tao facilmente - para bem e' ser assim para sempre - uma pessoa mais saudavel mentalmente e feliz. Sempre que me fazem perguntas mais pessoais (que em Portugal nao estava habituada a tal) corto logo pela raiz e digo que esta tudo bem. Ainda que nao esteja (o que ainda nao foi o caso desde que voltei de Portugal - tem estado tudo bem felizmente) nao vou cair no mesmo erro e deitar tudo ca para fora. Pois sei que se fazem valer desses momentos para depois nos virarem as costas. Nao obrigada. Se so' posso contar comigo mesma, entao e' isso mesmo que vou fazer, contar comigo mesma. Desde que voltei de Portugal as coisas tem estado melhor. Vejo-me a mim como uma mulher mais adulta e responsavel, mas acima de tudo a me importar com os outros - especialmente com o rapaz. E nesse aspecto vejo o rapaz constantemente a retribuir. Ha uma certa cumplicidade e um certo afecto que outrora nunca existiu. E agora percebo porque. Pois nao havia aquela dedicacao de mim para com ele que ele sempre necessitou. E felizmente isso mudo. E agora percebo o significado da frase que tantas vezes me foi dita "se simpatica para com os outros se queres que os outros sejam simpaticos para contigo". E a verdade e' so' essa. Se nos importarmos verdadeiramente com os outros, so' o bem pode ser reflectido dessas accoes. E eu gosto de quem sou hoje. Bom fim de semana.

6 comments:

  1. A minha pequenina:) sempre a crescer e a aprender:) You' re in the right path:) You make me proud!

    jinhooooooooooooossss

    ReplyDelete
    Replies
    1. Sempre minha querida :) e acima de tudo nunca desistir ! :) Beijinho enorme <3 xxx

      Delete
  2. Tens um desafio no meu blog, depois se quiseres responde ;)

    http://silencioprotector.blogspot.pt/2014/09/desafios.html

    ReplyDelete
    Replies
    1. Claro que sim minha doce estrinha :) Obrigada <3 xxx

      Delete

✿ Comentários ✿

Powered by Blogger.

Contact us

anna.21.marian@gmail.com