Saturday, 23 January 2016

The Chat


Eu sabia que a razao pelo qual ele nao queria falar comigo e' porque nao conseguimos estar muito tempo zangados um com um outro. Simplesmente nao conseguimos. Durante o tempo em que estivemos chateados um com o outro e recebi uma certa repreensao por parte dele, deixei-me ir abaixo e deixei as pessoas ao meu redor preocupadas e em baixo por minha causa. Ouvi todo o tipo de comentarios "Estas melhor sem ele", "Ele nao bate bem", "Da-lhe a chaves de casa se ele assim quer", "Vai buscar as tuas coisas e deixa-o", "Vais ficar bem sem ele".... Mas apenas uma pessoa disse "Eu acredito em voces. Acredito no amor verdadeiro e acredito no vosso amor. Vais ver que vai tudo correr bem". Somos um casal estranho. Somos pois. Ele e' demasiado maturo, tem demasiada experiencia da vida, e' muito mais inteligente do que eu e sabe o que e' melhor para ele. Eu... a minha idade e a minha experiencia de vida infelizmente nao me permite ser mais sabia. E sou por vezes (na maioria das vezes) uma crianca verdadeiramente imatura. Depois de ter ido lado para pegar nas coisas e vir-me embora, a pedido dele.... Entrei e ele partilhou algo comigo, porque apesar de tudo nao me quer esconder nada. Nao concordei com o que partilhou comigo e acabamos por conversar. Estava muito zangado e cansado, conseguia ve-lo nos seus olhos. Mas depois de falarmos durante o que parecia horas, olhamo-nos nos olhos e choramos... Lagrimas de dor, de amor, de frustracao, de alegria, nao sei explicar... E abracamo-nos. Prometemo-nos um ao outro que nos iremos ter em conta eternamente. E que mais do que um casal somos amigos para a vida. E assim acabamos por concordar que espaco e' necessario sim, pois depois de tudo o que passou a saude dele esta entre a espada e a parede. E assim sendo e' necessario espaco. Aceito isso. Mas ao menos sei que posso sempre recorrer, seja qual for a circunstancia. Seremos os unicos assim? Talvez. Teremos alguma vez um futuro juntos? Uma verdadeira incognita. Casaremos? Nao. Teremos filhos? Nao. Mas o que temos agora e' exactamente isso que quero. Ser feliz.

2 comments:

  1. é uma situação diferente e as vossas idades são diferentes mas eu namorei durante a minha licenciatura com um rapaz, eramos um casal estável, adorava-o, a questão é que não (como tu que realmente amas esse homem) eu não o amava no sentido louco de paixão, amava-o como continuo a amar, um amor de família quase, acabámos e somos tão amigos, ele vem cá visitar-me e fica cá com a minha família e eu vou visitá-lo e passo uns dias em casa dele, toda a gente acha estranho mas sabes...só nós é que percebemos sempre não vale de muito tentar convencer os outros de que são coisas normais, amizades que se prolongam depois de um amor. enfim ;) faz o que se sentires bem a fazer, é isso que te tenho a transmitir com isto tudo, beijinhos.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Oh Diana... deixaste-me de lagrimasita no olho. Obrigada pelas palavras e pelo gesto amigo. Tao bonita a tua historia. E sinceramente ja fui de piores intencoes, hoje sei que tudo e' possivel. E' possivel separar as coisas e deixar uma amizade perdurar. Mais uma vez minha querida, obrigada pelas carinhosas palavras. Faz-me tao bem, num momento tao fragil, ler palavras tao lindas. Um beijinho enorme <3

      Delete

✿ Comentários ✿

Powered by Blogger.

Contact us

anna.21.marian@gmail.com